nó na garganta







E o céu roncou bravo
cuspiu raios
acinzentou tudo
e não chorou.

Paulo Francisco
Morena de endoidecer by Djavan on Grooveshark

10 comentários:

Carolina Tavares disse...

Por estas bandas o céu chorou, e como!

bjs

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Que nem aqui, no meu Ceará!
Adoro, os seus versos, Poeta!
Santa Páscoa!

isa disse...

Por aqui chorou,chorou muito.
Demora o Sol a chegar.
Cansada da chuva.
Beijo.
isa.

PS:- Boa Páscoa.Um abraço.

Vivian Fernandes de Goes disse...

Olá,Paulo!!

Ah! O céu é como nós...ás vezes também cuspimos raios,ficamos cinzas,mas não choramos...

Lindo,Paulo!É um talento incrível ser profundo com tão poucas palavras!
Beijos!

Feliz Páscoa! Que seja de céu limpo, cheio de luz!

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Parece que assomou uma tempestade tenebrosa nesse lado da varanda...

Patrícia Pinna disse...

Boa noite, Paulo. Seu poema é interessante porque aliou os fenômenos da Natureza com o comportamento humano.
Parabéns!
Tenha uma Páscoa abençoada e feliz!
Beijos na alma.

maria teresa disse...

Uma trovoada seca?
Há muito que não vejo, sinto, uma!
É um espetáculo que me atraí, ver o céu a ser riscado por relâmpagos...
Abracinho meu

Crista disse...

É porque ele,o céu,teve que engolir o choro!
Como isso dói!

sandra mayworm disse...

Agora, a moda é essa:
Ameaça e não cumpre, que pena!
Saudade da chuvarada.

sandra mayworm disse...

Gostei muito do comentário da Crista, quando diz que o céu teve que engolir o choro...chorei!
Bj em todos