dna






Já não engulo mais aspirina. Já não bebo mais novalgina ou qualquer outro analgésico.
Não, não acabaram as dores cefálicas, tento conviver com elas. Mas confesso, se a dor é enxaqueca, eu não espero. Tomo duas drágeas se não desespero.
Ôô dorzinha desgraçada que paralisa a vida, deixa a cara inchada e doem as vistas. Tranco-me no escuro num silêncio absoluto, perco as cores do dia e o azul noturno.
pergunto:
- Doutor, que porra de predisposição genética é essa, pra se sentir dor?



Paulo Francisco




10- Surfando Karmas e DNA by Engenheiros do Hawaii on Grooveshark

7 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Tudo agora, é vírus ou é genético.
Acho mesmo que é incompetência!

Competente, é o seu texto\desabafo!

Beijo

Moisés Augusto Gonçalves disse...

Passei para sentir seu "dna"; O pano de fundo de seu varal de cores...!
Um abração!

luna luna disse...

as dores não são nada fáceis de suportar, mas na brincadeira quando as tenho digo " se Deus quisesse que os outros vissem as nossas dores elas seriam visíveis então temos de levar com elas sozinhos"
um beijinho de melhoras

isa disse...

Tem toda a razão de se queixar.
Em pleno séc.XXI ñ se justifica a dor!
Beijo.
isa.

Paula Barros disse...

Todos se queixam desta dor horrível.
E é uma dor que paralisa a vida mesmo.
abraço

Vanessa Vieira disse...

Realmente!!!
A dor quando vem é certeira. E não saber sua origem é um martírio!!!

Melhoras meu caro!
Por aqui doi o dente, espero agonizantemente pela extração!

Um beijo pra ti!

maria teresa disse...

As melhoras Paulo, felizmente, eu não sei o que isso é! Não costumo ter dores de cabeça, muito menos enxaqueca, mas a minha avó tinha, embora não se queixasse, via-se-lhe na cara e nos olhos a dor...
Abracinho meu!