pausa





E nesta ausência doída
de vazios eternos
de dores intensas
de dias cinzas
de noites negras
Afasto-me do tempo
Afasto-me de tudo
e refugio-me num sono profundo
e sem fim.

Nesses momentos de poucos amigos
de cores mortas
de pouca prosa
de intimidade interna
eu durmo na esperança de acordar
e descobrir que tudo não passara
de um mal sono – um simples pesadelo.

E nas minhas ausências vividas
- sofro intensamente
pra ressuscitar-me inteiro.


Paulo Francisco


A Lira - Solidao No Oceano by Madredeus on Grooveshark

7 comentários:

isa disse...

E há momentos assim, tristemente intensos, mas que nos ajudam a "ver"
melhor.
Que assim seja, querido Paulo.
Beijo.
isa.

coresdocaminho - Alice disse...

Sempre há que se buscar o que agrada e aplaca a incessante busca interior por dias melhores.
Linda poesia.
Bjks e linda semana

Existe Sempre Um Lugar disse...

certamente que o seu sono e o acordar vai se com imensas cores de felicidade.

maria teresa disse...

Lindo e triste!
Incongruência incómoda, mas que salpicada com as cores do mural, até me dá ânimo, em desacordo com o Poeta, para adormecer num sono cheio de sonhos que me fazem reviver!
Abracinho meu!

Vera Lúcia disse...


Olá Paulo,

Refugiar-se em sono profundo é uma fuga natural quando nossa alma está tristonha.
O sofrer se esgota em determinado momento e o recomeço traz cores e brilhos para o novo dia.

Sempre sensível em sua escrita.

Beijo.

São disse...

Por vezes só o simples facto de existirmos nos dói.

Saudações.

Eu Nos e os Sinos disse...

A
Do
Rei
"E nas minhas ausências vividas
- sofro intensamente
pra ressuscitar-me inteiro."

Bjkas
Catiaho