Noturno



O céu estava opaco, difuso, misteriosamente marinho e choroso. Ainda não havia estrelas e a lua continuava tímida.  As calçadas estavam úmidas e quase vazias. Gosto de andar na sombra da noite. Na calmaria noturna, ouço o silêncio amedrontado dos passos apressados daqueles que têm medo. Sigo sem pressa pelo caminho indicado pela seta.
Há tempos que não caminhava sem a necessidade de chegar. Caminhar por caminhar. Desgarrado dos compromissos agendados e da rotina diária de quem precisa sobreviver. 
Voltei pra casa orvalhando sonhos. 

Paulo Francisco

4 comentários:

Rô... disse...

oi Paulo,

sou mais diurna,
adoro caminhar sob os raios do sol,
deixo as noites para os poetas e para os boemios...

beijinhos

lis disse...

Uma caminhada que resultou numa bela prosa poética. com sentidos aguçados para ouvir o silêncio,
_muito bonito!
fica o abraço

✿ chica disse...

Caminhar assim faz bem.Lindo! abração,chica

sandra mayworm disse...

Enquanto caminha,observa e mais tarde...proseia !
Beijos
Sandra May