Alucinação
























Os olhos ardem - é fogo pra se ver
que se apagará em lágrimas
que escorrem na parede, no rosto frio
tingido pelo sangue - sangue pisado, coagulado,
chupado por um príncipe - um príncipe-vampiro

Noite nua, sem lua e sem estrelas

E a capa negra e vermelha cobre lhe o corpo
E no ar, cinzas que se espalham
nuvens que dançam frenéticas escondendo a lua
que morre de medo do moço - do moço-vampiro

Empírico?

Nem pensar - Era só um filme´no vídeo.


Paulo Francisco

Um comentário:

Amo em Silêncio disse...

Um texto interessante!
Gostei muito.
Beijos.