Memorial





Folhas amareladas
quase  quebradiças
Guardadas no escuro
no fundo da gaveta
Registro de um tempo
Vestígio de um momento
quase menino
Folhas apagadas
amareladas
quase destruídas pelo destino



Paulo Francisco

7 comentários:

✿ chica disse...

LINDO!!! abraços,chica

Ivone disse...

Lindo, lindo e lindo!
Nossa, que bela inspiração meu amigo poeta sensível!
Amei ler, também tenho guardados que marcaram minha Vida, embora ache que hoje é o melhor, o que mais amo!
Adorei!
Abraços bem apertados!

Tais Luso disse...

Tenho algumas guardadas, e como é bom esse reencontro com elas! É um reencontro com a vida.
Bjus!

Vivian disse...

...tão bom abrir a gaveta
de lembranças e saber que
por estarem ali, não se
desfizeram na crueza
do tempo!

bj, poeta inspirado!

Rô... disse...

oi Paulo,

nossa!!!
você me fez lembrar de um diploma meu que está ressecado e amarelado pelo tempo...
saudades!!!

beijinhos

Crista disse...

Oláááááááááááá...
APOSTO que tu estavas morrendo de saudades de mim!!!!
Faço de propósito,demorar a aparecer,porque quando apareço noto a expressão de............ ESPANTO........... e,claro,tenho a certeza absoluta de que estás imensamente feliz ao me ver...hehehehehe...
E não adianta dizer que nem te lembravas mais de mim ou que nem sabes quem sou.
Não aceito isso...pois eu marco eternamente quem me conheceu...ksksksksksksks...
Como sou modesta,estou amando o que estou escrevendo...tanto...que vou colar para os outros blogueiros que vou visitar o que escrevi para ti,que tal????
Sei também que quanto mais os visitantes demoram no blog da gente,mais famosos a gente fica...TOMARA que todos leiam até o fim minha pequena-longa cartinha de visita!!!!!
Sobre a tua postagem:
Precisava ser tão lindo???
Precisava fazer lembrar???
Quanta coisa guardada e esquecida...
Mas é bom encontrar e recordar,mesmo sendo destruídas pelo destino!
Agora,aceita um beijão "deu"(de mim)pra tu :)
EU VOU...mas EU VOLTO... para tua felicidade...ksksksksksksks..
Se eu não me "achar"...quem me acha?????

sandra mayworm disse...

Essas palavras, em verso ou prosa...sempre tão profundas!