Paráfrase

PATRIOTA? Não: só brasileiro.
Nasci brasileiro como nasci mestiço e de olhos escuros
Se nasci para falar, tenho que falar uma língua.
OK, my friends?


Paulo Francisco

Mix









É a mistura das raças na beleza das cores de todos os sabores na vida do pororoca – menino franzino, equilibrista, artista da vida real.
É a certeza do azul lá no sul.

E a incerteza descolorida na amplitude vivida – encarnada, descarnada em almas fantasmas.


Paulo Francisco

Liberdade















Quero ouvir uma balada - Cavalgar campo afora
Sair desse marasmo invernal - Desse pecado capital
Escrever um texto  - mesmo  que não seja bom
Quero sentir o sol matutino - Correr como um menino
Contar as nuvens que passam – imitar todos os passarinhos
Entender a Aritmética de Sant´Anna -  Perdoar os meus professores
                                                           - principalmente os de matemática
E viver simplesmente  - Simplesmente viver sem despedidas.



Paulo Francisco

Vazio












Hoje, não olhei para o crepúsculo lá fora. Estava ocupado contando os tantos que guardo no peito. Às vezes, ou quase sempre, fico preso nesse hiato da vida - fico preso entre a lua e a poesia.

 Paulo Francisco

Domingo










Manhã chorosa – de choro miúdo e contínuo
Lágrimas macias que molham a terra e o passarinho
Solo encharcado e olhos rasados d´água
Chove lá fora. E a saudade lava a alma
- acalmando o domingo do menino.

Paulo Francisco

Sábado







Sábado preguiçoso -  nublado e ocioso
Conversa ao telefone - despojado à cama
Último sábado do inverno - No próximo, primavera!
Teremos mais cores e flores – numa outra atmosfera
Num previsível sábado preguiçoso - colorido e amoroso.

Paulo Francisco

Estio


















Ainda não há borboletas nem outro inseto qualquer
Todos estão dormindo à espera da primavera
Ainda é inverno no mês de setembro
Ainda há tempo de sonhar
Ainda há tempo de sonhar comigo
Ainda há tempo de sonharmos  juntos
Não há borboletas no jardim
Ainda é inverno em meu quintal.


Paulo Francisco

Moldura




Neste chão em que estou agora
deitado com o computador em meu peito
tentando escrever algo interessante
Percebo a lua lá fora brilhando dourada
um céu estrelado  e algumas nuvens faceiras
Neste chão em que estou agora
observando o que está lá fora
descubro que não há grade na janela.


Paulo Francisco


Falta
















Tem as flores
mas não o jardim

Tem os pássaros
mas não o céu

Tem o ardor
mas não o sol

Tem a claridade
mas não a lua

E o menino chora
Junto às estrelas

Ele tem o amor
mas não tem Ela.

Paulo Francisco

Presença














Domingo contigo
Inverno e abismo
Perigo abissal
Acordarei atrasado
Mas não ligo não.


Paulo Francisco

Saudades











Acordei tarde – perdi a chuva matutina
Disseram-me que foi uma chuva fininha
Um véu ao vento bailando entre as coisas
Indo lentamente de um lado para o outro
Molhando telhados, vidraças e calçadas
Deixando a terra fofa como espuma
Com o cheiro de quando éramos crianças
quando brincávamos na terra molhada
-  quase nuas e descalças.



Paulo Francisco

Buquê














Para atriz
Todas as cores
jardim e flores
sabores e amores
 e verniz!

Paulo Francisco

Laços










Jardim florido de amigos
as cores são mais vivas
Mesclam-se as amizades
que n´ alma coabitam-se.


Paulo Francisco

Cada dia












Tudo bem meu bem
tem  água e sal
 - nada mal -
há trigo também.

Paulo Francisco

Poema











Varal de cores
Balançam os poemas
na madrugada fria

Fria madrugada - Tormenta!
 O vento tenta, mas não entra.
- Janelas e portas trancadas.

Varal de cores
Poeta e poesia na fria madrugada.


Paulo Francisco

Tela




Desenhei em teu rosto
risos e riscos
Arrisquei-me no escuro

Paulo Francisco

Flagrante











Presença que grita na secreta fresta
o pouco que nos resta antes do amanhecer
antes que a  luz do sol expulse a lua
e escancare o dia em nossas peles nuas.

Paulo Francisco

Aroma















Primeiro de setembro
Contagem a conta-gotas
No céu da boca da primavera

Paulo Francisco