Luz e sonoplastia





Os raios surgiram entre os galhos cobertos de folhas
Invadiram e clarearam o meu caminho e destino
O vento trazia, aos poucos, o ronco da cachoeira
A natureza orquestrava a sua diversidade
Folhas chocalhavam
Galhos rangiam
Grilos tritinavam
Sabiás cantavam sem parar
Os Bem-te-vis com outros passeriformes saudavam-me em canções
 E as batidas do meu coração humano e sozinho os respondiam naturalmente.
[Os raios surgiram invadindo a minha alma e clareando o meu dia.]


Paulo Francisco


4 comentários:

Rô... disse...

oi Paulo,

clarear,
é um jeito de ver o dia melhor...
muito bom quando nos permitimos!!!
que cantem os pássaros...

beijinhos

Paula Barros disse...

Adoro o canto do bem-te-vi.
Belo poema, muito me agradou.
beijo

Luma Rosa disse...

Oi, Paulo!
É a resposta que a natureza dá ao que naturalmente pergunta. A vida pulsa, simples assim!
Bom fim de semana!!
Beijus,

ॐ Shirley ॐ disse...

Um coração solitário, atento aos ruídos do dia...
Paulo, beijo!