Tal





Traços firmes e delicados
passeiam na folha branca
do papel. Cruzam-se suavemente
entrelaçam-se centenas de vezes
imitando a arquitetura aracnídea
construída do lado de fora da casa.
Ela pacientemente caça.
Ele, esperançosamente, procura
a saída da teia que habita.



Paulo Francisco

4 comentários:

✿ chica disse...

Muito lindo! abração,chica

Rô... disse...

oi Paulo,

eu não seria uma boa aranha,
não gosto dessa sensação de enredar,
prender alguém e ficar presa...

beijinhos

Vivian disse...

...uma arquitetura poética!

Smacksssss da Vivi!

Ivone disse...

Linda é a trama, bem arquitetada!
Amei ver e ler!
Mais abraços amigo poeta!