Oposto

Depois do acontecido, depois da massa crescida
-  a revelação:
Imobilização involuntária,
cárcere privado - dor sem fim.
Lá fora: chuva, sol, vento, lua e estrelas.
Há flores no jardim.
Aqui dentro: ossos quebrados, cama colada às costas, dedos cansados e feridos, pernas dormentes, cabeça cheia de vento e olhos que lacrimejam sonhos.
Lá fora, há flores, cores e cheiro.
E os gatos sentados no muro, olham curiosos, e se perguntam desconfiados se o corpo espichado ainda está vivo.
Lá fora há de tudo: vento, buzinaços, crianças, cores e flores.
Aqui, só comoção.

Paulo Francisco

3 comentários:

✿ chica disse...

Lindo! Ainda bem que lá fora há flores, sons, vida...Sair é opção! abração,chica

Paula Barros disse...

Paulo, me saltou aos olhos e bateu forte na emoção está frase:
"cabeça cheia de vento e olhos que lacrimejam sonhos"
beijo

Zilani Célia disse...

OI PAULO!
PRIMEIRA VEZ POR AQUI E TE SEGUINDO.
PALAVRAS SENTIDAS,MAS, LÁ FORA SEMPRE HAVERÁ VIDA, FLORES E CORES.
ABRÇS

http://zilanicelia.blogspot.com.br/