caos





Não há nada
tu - do mor- to
torto
cinza.
[Não
nada
além
 de
mim].
Tudo de – sir –ma –na - do
parado
solto
perdido.
[não
 nada
além
 de
mim].

Tu                                          ba
 do         em                                       ra


lha

do
com                       so                                                 doi


fu                                           do

dentro de mim.



Paulo Francisco





Nuvem Negra by Gal Costa, Djavan on Grooveshark

6 comentários:

Paula Barros disse...

Quanto mais embaralhado, me parece que mais criativo.
beijo

Ivone disse...

Amigo muito querido, bem criativo seu poema, adorei as disposições das palavras monossilábicas, pois é,vez ou outra entramos no caos de nossos próprios pensamentos!
Amei!!!
Abraços amigo muito, mas muito querido!

Dalinha Catunda disse...

Olá Paulo,
Você diz muito mesmo com poucas palavras.
Na colocação das palavras o tom da criação.
Meu abraço

Crista disse...

Dizem que quanto mais o poeta sofre,melhor ele é...

Eu Nos e os Sinos disse...

Adoro poema assim
es
par
ra
ma
di
nhos.

Quero falar com voce,
pra falar de um concurso...
como faço?

Majoli disse...

Embaralhado em ti, embaralhado na disposição das palavras, mas não embaralhou o que tentou transmitir...quantas vezes me sinto embaralhada assim.

Desculpe meu sumiço (em comentar), mas sempre estou a te ler.

Beijos Paulo.